31 de jul de 2006

CANÇÃO DO EXÍLIO

.

.
.
.
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar –sozinho, à noite–
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que disfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
.
.
Gonçalves Dias
.
.

2 comentários:

Quem sabe , sabe quem não sabe , cala boca disse...

EU AODRO ESE POEMA, AINDA MAIS AGORA QUE ESTOU MORANDO EM OUTRO PAIS, VEJO O QUE O AUTOR QUIZ DIZER NELE !!!!
SÓ QUEM FICA FORA DE ONDE GOSTA DE FICAR PODE SEBER DISSO !!!

edide disse...

Este poema lemba muito minha infância.No colégio eu recitava muitos poemas e "Canção do Exílio era um desses!! Que saudade...Edilde candido escritora